domingo, 17 de junho de 2018

O amor que fica

(O Dia dos Namorados já passou, mas eu não poderia deixar de postar uma homenagem a esse dia)

"O teu sorriso pode ser de tirar o folego,
mas isso não fará o amor ficar.
Você pode dobrar as mais belas palavras, do jeito mais bonito,
e entrega-las num lindo pacote,
mas ainda assim, o amor não permanecerá por isso.

Talvez você tente convencê-lo a te olhar com outros olhos.
Acenando as suas qualidades, exibindo suas conquistas,
e mesmo assim, o amor voará para longe, porque o amor não transita na superfície.
O gostar se hipnotiza com seus olhos, e a paixão se aquece pelo seu jeito.

Mas o amor, meu bem.
O amor só se faz amor, quando o gostar não acha mais a saída de incêndio, 
e a paixão, já fora de sí, ateou fogo em cada cômodo teu.
O amor é chama silenciosa, que não pede prova. Que não clama por alardes.
É o que encontrou lar no teu abraço.
Chorou com o teu choro, e se fez firme equilibrando as suas estações.

O amor permanece na sua impaciência, na sua queda e nas suas tempestades.
Porque o amor te conhece além do teu reflexo,
Não se importa com as suas conquistas, e muito menos em como você se parece.
Ele sempre está mais fundo do que o seu humor cotidiano,
e é mais compassível do que as suas olheiras mais cansadas.

O amor é a prova dos teus respingos, arranhões e ruídos.
Porque o amor sabe o raiar do sol que você guarda no peito,
e pra ele, essa é a luz mais bonita pra se ver quando o dia amanhece.
Pacientemente, o amor espera."

- Daniel Duarte

sábado, 16 de junho de 2018

07.06.2018


Halsey é uma das últimas cantoras que conheci, por esses meses deve completar um ano. Mas mesmo com pouco tempo, comecei a gostar muito das músicas, fiquei dias sem parar de ouvir - foi até antes do lançamento do Hopeless Fountain Kingdom, mas dias depois ele foi lançado. Conheci pelo VH1, com o clipe de Now or Never e depois de passar sempre no mesmo horário durante a semana, o clipe me chamou atenção e fui ouvir melhor no YouTube. Me viciei e aqui estou. 

Eu não tinha nem esperanças de que ela viria tão cedo para o Brasil (agora só falta show do Bring Me The Horizon, a banda que conheci quase na mesma época, só um pouquinho antes, mas essa sei que ainda vai demorar). Comprei o ingresso em abril e na quinta-feira, dia 07, tinha chegado a hora de ouvir pessoalmente as músicas que eu ouvia em versão de show no YouTube.

Eu e R chegamos no Vivo Rio um pouco depois dos portões abrirem, a fila ainda estava bem grande - maior do que eu esperava já que o show estava com promoção de 50% de desconto há um tempo considerável, mas vai ver que por isso que encheu. Quando conseguimos entrar na pista, já tinha muita gente, então tivemos que ficar mais para trás, em um degrau onde tinha apenas uma fileira de pessoas na nossa frente - e no final foi o melhor lugar para conseguirmos ter uma vista melhor do palco. Tinha muito tempo que eu não ia a um show internacional e mais tempo ainda em show que tem fãs gritando loucamente, não lembro nem a última vez, só sei que o último internacional foi do Evanescence em abril de 2017. Tem tempo. Mas eu não imaginava que o público da Halsey gritava assim (ou da Lauren Jauregui, já que ela abriu o show), então eu tive quase uma nostalgia ao estar em um ambiente assim, porque eu sentia isso sempre em 2011, época de ouro dos shows no RJ, quando eu ia em pelo menos um show por mês. Atualmente, se vem três ou quatro por ano já é muito. Enfim, o show de abertura foi bem legal, mesmo que só de meia hora porque essa ex-integrante da Fifth Harmony começou a carreira solo agora.

Mas vamos ao principal: show da Halsey. O show atrasou apenas dez minutos e já veio com aquela vibe de luzes apagadas e todos gritando, como eu amo isso! Ainda mais com tanto tempo sem estar num show assim, né?! A primeira música do show foi Eyes Closed e achei legal porque é uma das que sempre escuto. Fiquei impressionada com a roupa dela, que junto com o cabelo loiro grande, lembrava a Britney Spears - mas lembrando que eu estava atrás, só que o Vivo Rio não é muito grande, então mesmo que seja mais atrás, não é muito longe. A segunda foi Hold Me Down que eu já não ligo muito, então deu aquela quebrada. Mas logo em seguida veio Castle, uma das minhas preferidas com certeza, sempre coloco para ouvir e foi muito bom finalmente presenciar a versão dessa música ao vivo! Com Good Mourning, a passagem de um minuto do álbum, consegui respirar um pouco mais, e logo depois veio Heaven in Hiding que eu também adooooro, cantei bastante! Em seguida veio Strangers com a participação da Lauren Jauregui e todos foram a loucura, mas eu não porque não ligo muito para essa música, já até gostei mais, mas nunca chegou a ser uma das preferidas. Roman Holiday é uma das que eu não escuto muito por falta de costume, mas acho uma gracinha de música, cantei o que eu sabia de embromeixon. 

Quando chegou Walls Could Talk deu uma quebrada porque também não ligo muito para essa - na verdade, eu prefiro muito mais o primeiro álbum, BadLands, do que o último, mas como a turnê é desse último, só restava me conformar que a maioria seria do último mesmo. Bad at Love é das músicas que eu não gostava no início mas acabei achando legalzinha, não tão ruim assim, mas logo depois veio Alone que eu acho um saco, mas já sabia que ela cantaria porque é um dos últimos singles. Me surpreendi pela Halsey ter escolhido cantar Closer, a música que ela tem participação, que de tanto tocar nas rádios ela já não aguentava mais, nem um monte de gente, inclusive eu, mas como foi numa versão mais lenta e diferente, achei que ficou legal. 

Him & I veio logo depois e eu adorei porque essa é uma das músicas mais novas que tem a participação dela e sempre escuto várias vezes. Foi bem legal mesmo sem a parte do G‐Eazy, até porque a parte que eu mais gosto é da Halsey. Chegou a vez de 100 Letters e eu achei muito bom porque é uma das que eu gosto de ouvir também, foi legal ouvir ao vivo. Drive foi legal por ser do primeiro álbum, eu acho legal de ouvir, mas não é o tipo de música que dá pra se alterar, é até mais para ouvir do que para cantar, mas gostei também. Is There Somewhere foi a única música que eu não conhecia muito porque só tinha ouvido poucas vezes no YouTube na versão ao vivo, e alguns dias antes que encontrei no Spotify sendo parte do álbum Room 93, mas aí não deu tempo de conhecer a música até o show. Mas acho uma música muito bonitinha, foi legal ouvir lá e o que me chamou atenção é que ela queria entrar no meio dos fãs, o que eu já imaginava que ela iria querer fazer porque já tinha visto ela fazendo isso em todos os outros vídeos dessa música, mas aqui no Brasl é diferente, né. Aí ela falou três vezes para terem cuidado, estava meio apreensiva, mas a música acabou e ela não entrou. Deve ter se assustado com as pessoas gritando loucamente na frente hahahahaha

Para me alterar bastante, veio Now or Never, a música que começou com tudo isso. Eu gosto muito dessa música, é a segunda que eu mais gosto, então aproveitei ao máximo, finalmente eu estava ouvindo essa música no show da Halsey, a música que perdi a conta de quantas vezes ouvi ano passado. O que me deixou ainda mais animada foi a música seguinte ser Colors. Essa sim é a que eu mais gosto de todas, porque para mim é essa música que mais representa a Halsey, talvez por ela falar blue várias vezes e eu saber que ela usou cabelo azul por muito tempo, ou só por ouvir muito essa música, mas eu sei que Colors mexe muito comigo e eu gritei mesmo, cantei tudo que tinha direito. Depois veio Young God, que achei bem desnecessária, não consigo considerar nem uma música direito. No setlist, está que essa foi a falsa última, mas na hora eu nem tive a impressão que o "show teria acabado". 

Depois veio Gasoline, que eu acho legal, mas também não é grande coisa, e por último veio Hurricane, que também não ligo muito, mas trouxe um outro clima para o final do show. É até legal, mas prefiro quando acaba com músicas que deixam todos os fãs atacados. Se o show tivesse acabado com Colors, teria sido lindo. Músicas que eu achei ruim ela não ter tocado: Angel on Fire, Lie e New Americana. Essas três são parte das que eu mais gosto e ela deixou de lado para tocar outras que eu não ligo. Quando saí do show comprei uma camiseta e um casaco, os dois em promoção por ter sido pós-show e nem foi do oficial, era tudo feio e caro. 

No geral eu gostei do show e já queria um próximo! Aguardo pelo próximo álbum e pela próxima turnê (que seja mais parecido com o primeiro, mas também gosto de Hopeless Fountain Kingdom, afinal tem Now or Never nele e outras legais).


Setlist do show

1.The Prologue
2. Eyes Closed
3. Hold Me Down
4. Castle
5. Good Mourning
6. Heaven in Hiding
7. Strangers (with Lauren Jauregui)
8. Roman Holiday
9. Walls Could Talk
10. Bad at Love
11. Alone
12. Closer (The Chainsmokers cover)
13. Sorry
14. Him & I (G‐Eazy cover)
15. 100 Letters
16. Drive
17. Is There Somewhere
18. Now or Never
19. Colors
20. Young God

Encore:
21. Gasoline
22. Hurricane

quinta-feira, 3 de maio de 2018

8 aninhos!

Esse ano eu lembrei no dia certo. Coloquei lembrete no celular para não esquecer. Mas mesmo caindo numa sexta-feira e ainda tendo feriadão, não consegui escrever sobre esse aniversário. É quase sempre minha tradição atrasar esse parabéns, mesmo não sendo de propósito! 

Mas o motivo de eu não ter conseguido escrever já mostra o quanto eu mudei e esse cantinho daqui me acompanha sempre (mesmo que não mais com tanta frequência). O nascimento do Atreva-se foi numa época de muitas inseguranças, em várias áreas da vida. Nos primeiros anos aqui era como se fosse um amigo meu, o mais íntimo, o que eu poderia me abrir, sem me sentir julgada e ficar um pouco mais leve depois de escrever cada postagem - mesmo que eu não pudesse ouvir conselhos ou comentários sobre meus pensamentos e minhas histórias. 

Com o passar do tempo e as mudanças na minha vida, o amigo para os meus momentos mais difíceis se tornou um diário. É para aqui que eu corro quando algo marcante acontece, algo que eu sei que lembrarei por muitos anos, seja algo ruim ou algo bom. Por isso gosto de vir aqui e registrar meus pensamentos sobre o que está acontecendo na minha vida, mas claro que da forma que mais gosto de escrever aqui: com metáforas, associações e segredos que apenas eu ou quem vive próximo a mim irá entender.

Oito anos é muito tempo e eu nunca imaginaria que o blog que nasceu sem a autora nem saber sobre o que postar iria durar tanto tempo. Só fui no feeling e até hoje eu e o Atreva-se estamos aqui. Então parabéns a esse cantinho que mora no meu coração ❤

quarta-feira, 4 de abril de 2018

Capítulo 5

Mais 12 meses passaram e chegamos ao quinto capítulo! Já ouvi dizer que esse é o capítulo da loucura.. e nossa! Não poderia ter definição melhor. Eu tinha achado o capítulo 4 intenso, mas ele não foi nada comparado ao que veio em seguida. Foram tantas coisas tão intensas que a melhor palavra para definir esse capítulo 5 é loucura. Quase uma montanha russa de emoções, aventuras, experiências. Um dos melhores mas também um dos mais difíceis. Nesse roteiro houve muito clímax, muito drama, muitas lágrimas, mas também muita alegria, muitas conquistas, acho que de tudo um pouco. Foi um capítulo em que a protagonista aqui viveu muito e enfrentou muitos desafios, mas no fim sobrevivi a todos eles. Eu sabia que a jornada não seria nada fácil, e realmente não foi, mas chegou a hora da próxima fase e é um dos capítulos que termina de um forma muito boa. Sem muita noção do que está por vir, aguardo pelo capítulo 6.

quinta-feira, 8 de março de 2018

5 coisas que aprendi sobre o amor

Amor é um sentimento que todos sabem qual é, mas não sabem como definir exatamente. Por tantas questões profundas, intensas e complexas, cada um enxerga o amor de uma forma. Nos últimos anos tenho estudado mais a fundo sobre esse sentimento. Eu aprendi e continuo aprendendo todos os dias 

1. O amor é mais forte que o julgamento de outras pessoas.
O que as pessoas pensam e dizem passa a não ter mais tanto peso. O sentimento de querer estar com um outro alguém faz com que comentários e julgamentos de outros não impeçam de estar ao lado de quem faz o coração bater mais forte.

2. O amor pode levar mais felicidade do que você imagina para sua vida.
Há uma fase desse sentimento que começa a mudar a visão que se tem do mundo. A rotina e as dificuldades tornam-se menos pesadas e a vida mais colorida. Sem que você perceba, esse alguém já  consegue criar um sorriso do seu rosto em segundos.

3. O sentimento não é estagnado.
Não há como saber quantas fases específicas o amor passa ao longo do tempo. No geral, há a paixão que traz uma intensidade forte e o amor que carrega mais tranquilidade. Mas esse sentimento é tão complexo que seria muita simplicidade dizer que só existem duas classificações.

4. O amor precisa ser cuidado diariamente.
Mesmo sendo tão intenso, se as pessoas envolvidas se descuidarem aos poucos, esse sentimento tão bom pode tomar outra forma e não parecer tão maravilhoso quanto antes. O amor é como uma flor, precisa ser tratado com paciência e delicadeza. Com essa combinação, um jardim pode nascer e quem sabe ser ainda mais bonito do que antes.

5. Se os dois lados querem, o amor vence.
Alguns momentos podem ser difíceis, tudo parecer confuso e a visão de um futuro, que era tão certo, passa a escurecer. Mesmo assim, se os dois lados ainda sentem que podem recuperar o que era vivido, ou construir uma nova história, o amor se reinventa e, quando menos se espera, tudo volta a ser colorido e a ter menos peso. Os finais felizes reaparecem e todo o resto é um mero detalhe.

quarta-feira, 14 de fevereiro de 2018

Trilhas


O pior havia passado. Ela finalmente havia conseguido voltar ao lugar que sempre pertenceu. Foram meses trabalhando para que aquela floresta voltasse a florescer e que as cores voltassem a reinar. Depois de queimadas e tempestades, até mesmo o arco-íris já não estava mais presente, pois não havia mais chuva, apenas sol. Voltar a caminhar por aquelas trilhas era renovador e ela mal acreditava que depois de tanto tempo havia conseguido reconstruir aquela floresta. Por um acaso, ou não, entre  os inúmeros girassois, sua antiga companhia de trilhas apareceu para visitar o local. O valor daquela floresta era muito grande e era muito querida pelas duas que a habitavam. Depois de tanto tempo para se renovar, a sensação era que as árvores, flores, grama, tudo havia se tornado mais forte do que era antes. Naquele momento, o que ela mais queria era caminhar entre as trilhas em companhia e aproveitar a paisagem. Apenas isso.

segunda-feira, 12 de fevereiro de 2018

A chance


You know I never want to let you down
It cuts me up to see you sad
And I wish that I could undo what I've done
Give back the faith in me you had

You know I love you more than anyone
But I get a little wrapped up in myself
But you know I never want to do you wrong
Bring into question what we have
I know I let you down, but you're giving me a chance

- Gotye